Trabalho e maternidade

Voltar a trabalhar e ser demitida, sofrer com o fim da licença maternidade e dirigir chorando para o trabalho, mudar de profissão, empreender em outra área e ver que está trabalhando muito mais do que antes, ficar feliz de voltar ao batente e se sentir a mulher de antes dos filhos, ser questionada por sua força de trabalho depois dos filhos, ter rede de apoio sólida, pagar creche, se reiventar, ter mais tempo, encontrar o equilibrio.

Trabalho e maternidade é uma caixa preta de tantos outros assuntos e sentimentos. Todas nós sentimos essa pressão em algum momento e lidar com tudo isso é mais um ítem para a nossa carga mental. Ontem tive a oportunidade de dividir com Tetê Brandão, Camila Domingues e Débora Ghelman suas histórias e perspectivas sobre o que é o desafio de cada uma. Contei um pouco da minha história e falei sobre como mudar de profissão e amar o que eu faço, me trouxe leveza para aceitar minhas faltas como mãe. Faz parte. Falamos também sobre como é fundamental trazer os homens para essa conversa. Como, ao assumirem seus papéis de pais, as mães seriam menos sobrecarregadas. É importante que eles também briguem para sair mais cedo por conta do pediatra, da vacina, da febre repentina. Como a gente, muitas vezes, ocupa esse espaço sem nem perceber e ao final, estamos esgotadas.

Trabalho e maternidade é uma equação difícil mesmo de equalizar, mas se cuidar, criar, educar filhos continuar sendo uma responsabilidade só da mulher, a gente não vai sair do lugar.

16c91516-2ee4-4b16-9b6f-b849c022f8a9.JPG