Rir ainda é o melhor remédio

image (3).JPG

Uma das coisas mais legais do meu trabalho é a possibilidade de aprender com outros pais sobre como lidar com situações desafiadoras. A história de cada um, o que é compartilhado e a solução encontrada nas diferentes dinâmicas familares, é o melhor do workshop. Ser facilitadora dessa conversa é o meu jeito de me reciclar como mãe, rever minhas certezas e ir costurando novas formas de maternar.

Recentemente uma mãe trouxe algo que me desconcertou. Ela falou que desde criança fazia caretas como forma de alivar o estresse e que isso a acompanhava na vida adulta e era muito bom, inesperado e claro, divertido.

Nós mães temos muita dificuldade em rir das situações de caos. Em fazer graça, em ser divertida. Eu sei que estamos cansadas e que carga mental é pesada, mas por que escolher o caminho mais penoso se a gente pode escolher o mais leve? Sim, a gente pode escolher e isso é o que nos diferencia de uma criança, que não tem o repertório emocional que nós temos. Se a gente se propor a reprogramar o jeito que enxergamos as coisas (não é fácil, mas é possível), vamos poder ocupar um lugar que é de difícil acesso para nós, que é o caminho do riso.

Careta? Sim, por que não?

Ao invés de soltar um palavrão, faz uma careta.

Ao invés de gritar, faz uma careta.

Ao invés de dar um esporro, faz uma careta.

Ou faz tudo junto, para que ao final, o riso contagie.

O bom humor é uma arma poderosa para lidar com as crianças.

Mas assim elas nunca vão entender que existem assuntos sérios!

Não subestime a capacidade das crianças de enteder as coisas. Elas sempre entendem tudo. O riso é apenas uma possibilidade de encarar as piores situações com inteligência emocional, com aquela leveza que você tanta admira nos outros.

Seja essa leveza. Passe ela a diante. Ensine ela aos seus filhos. Rir ainda é um excelente remédio. #parentalidadeconsciente #equilibrioparental.