O não manual

IMG_3696.JPG

Filhos são universos complexos e não demora a gente perceber que eles não são exatamente uma extensão de nós. Se é difícil equalizar os nossos desejos, vontades e dificuldades, imagina a de uma criatura que ainda não tem todas as ferramentas que nós adultos temos? Educar uma criança é um desafio gigante para o qual não somos preparados. Vamos fazendo tudo por tentativa e erro, repetindo padrões (nem sempre saudáveis), buscando na memória ou no esquecimento como reagir diante de determinadas situações. Muitas vezes, nos tornamos pais sem nem curar a criança que fomos e isso pode dificultar bastante as coisas.

Mesmo assim, a minha maternidade nunca foi adepta dos manuais. Li alguns poucos livros sobre o assunto e me vi tão mais angustiada do que antes, que achei por bem deixar para lá. Acredito que isso fez de mim uma mãe muito tranquila. Quando João nasceu, há nove anos, a internet era um campo menos explorado do que é hoje, então, não tinha ninguém cagando regra. Claro que isso não me privou de sentimentos como a solidão ou o medo, mas fui encarando tudo com muita serenidade, como parte do processo e sinto que o negócio fluiu. Até certo ponto.

Sou mãe de 4 crianças e seria pretensão demais acreditar que sempre saberei o que fazer. Não saberei. Mas muitas vezes as respostas para nossas dúvidas não estão exatamente em um manual e sim na troca. Foi isso que me levou até a Disciplina Positiva. A Disciplina Positiva é o não manual, porque ela não te dá fórmulas milagrosas e nem receitas de sucesso para educar crianças. Ela te propõe ferramentas para que dentro da individualidade de cada família, o principio nas relações seja sempre o respeito, o amor e a conexão.

Além disso, ao me formar pela Positive Discipline Association, eu não ganhei crachá de especialista em criação de filhos e de verdade, não acredito nisso. Sou uma facilitadora de conversas entre pais e mães dispostos a ouvir um pouco sobre a abordagem positiva e suas ferramentas e juntos desenhar caminhos de mudança com firmeza e gentileza.

No dia 3 de fevereiro início minha jornada como educadora parental. Se você é de Brasília e tem interesse em conhecer um pouco mais sobre esse pensamento, eu vou facilitar uma conversa entre pais e mães. Para maiores informações, você pode me mandar um e-mail: luandabarros@gmail.com