Saideira

Sábado passado, do alto das minhas 38 semanas de gravidez, ganhamos um vale night da sogra e fomos a uma festa. As crianças iriam dormir com ela e o nosso compromisso era aproveitar, se divertir, dançar. Eu e Pedro nos conhecemos num show. Eu tinha 15 anos e de lá pra cá, já contabilizamos muitas farras. É verdade que o volume desse tipo de evento sofreu forte queda nos últimos 8 anos, mas sempre que a gente pode, lá estamos nós, descendo uma ladeira no carnaval de Olinda, curtindo um show, dançando em uma festa.

Ficamos até as 4 da manhã entre a pista de dança, o bar e as conversas com os amigos. Dormimos sem o medo de ser acordado e isso realmente faz toda diferença. Mas antes do meio dia já estávamos com os filhos de baixo da asa, prontos para a programação deles, que incluia nadar no lago e deixar por lá a ressaquinha de uma noite de pouco sono. Confesso aqui bem baixinho, que achei estranhíssmo acordar sem eles pulando em cima de mim, mas aproveitei aquele momento. Aproveitei porque eles são raros, porque meu pique já não é mais o mesmo, mas principalmente porque eu não vivo com saudade do que era a minha vida antes das crianças. Eu olho para aquele passado e eu amo lembrar como era, mas sem saudosismo. O tempo passa e as prioridades mudam mesmo. Isso não é abdicar da sua vida, mas sim, encarar com mais leveza as novas etapas que vão surgindo. Por hora meus filhos são pequenos, mas logo isso muda e vem outra fase. E depois outra e outra e outra. Estar atenta a essas transformações e abraçar o que cada uma delas trás, nos permite viver a vida de forma mais plena. Ou, apenas enjoy the ride. #nodramamom