Feminista sim.

O feminismo entrou na minha vida muito recentemente e todos os dias eu sou confrontada com alguma situação que me faz repensar, rever e principalmente, desfazer o meu ponto de vista (geralmente machista) sobre alguma coisa. É difícil e dá um trabalho enorme me colocar nessa postura de “cara, eu não sei de nada”, mas eu acredito tanto nessa luta, que ao final, é como se ao invés de me sentir abrindo mão da minha idéia, eu, finalmente, acenda uma lâmpada e ganhe conhecimento sobre algo.

Mas Lua, você não acha que as feministas são muito radicais não? Sim, tem o grupo das radicais. E tem o grupo das moderadas. Tem o grupo das negras, tem o grupo das trans. Tem feminista para todos os gostos. O que não pode ter é mulher se dizendo contra o feminismo, sabe por que? Porque essa é uma causa nossa, de todas nós, independente da cor, da classe, do gênero. Eu sou nordestina, do Recife para o mundo e entre minhas amigas do coração, ainda é possível perceber várias atitudes machistas, como algo normal, natural. O machismo faz parte da gente.

E depois que a maternidade chega, começamos a sentir na pele o poder da coisa toda. O machismo está intimamente ligado a maternidade. Quer ver? A licença maternidade é extremamente machista, quando diferencia a importância da presença do pai e da mãe nos primeiros meses de vida do bebê. Só aí já se abre um abismo entre obrigações e responsabilidades, mas também entre a perceção sobre os nossos deveres como mães. E siguimos achando normal que seja assim. Somos machistas quando aceitamos uma dinâmica em que só as mães levantam a noite para acalmar o bebê, porque o pai trabalha no dia seguinte, ou porque o bebê só quer o peito (quem disse?), ou porque o pai não sabe como resolver a questão de um filho chorando. Somos machistas quando dizemos que meninos e meninas podem brincar do que quiserem, mas não compramos bonecas para nossos filhos e nem carrinhos para nossas filhas. O machismo é cruel com mães solo e essa tal de guarda compartilhada a cada 15 dias (Me poupem. Quem já viu ser pai de 15 em 15 dias?). Somos machistas quando aceitamos que o cara pode não assumir o filho, mas a mãe não tem essa opção, o aborto é ilegal, lembram? E quando um restaurante coloca trocadores só nos banheiros femininos? Machismo também, uma vez que associa o ato de trocar fraldas a algo que só as mães podem fazer. E o machismo de achar que só mães sabem cuidar de seus filhos, porque são mulheres? Que eu saiba, nenhuma mulher nasce com o selo de mãe na testa. As que desejam ter filhos, irão aprender a cuidar de uma criança, assim como homens também podem aprender.

Esses são alguns poucos, mínimos exemplos de como o feminismo é uma causa que precisa da união e da força das mulheres. Não porque o feminismo seja o contrário do machismo. Não é isso. É só porque o feminismo luta por direitos iguais entre homens e mulheres. Só isso. Ser mãe nesse mundo machista é uma loucura e nos joga ainda mais no poço das culpas e vulnerabilidades, sem nem a gente perceber.

Essse texto ficou martelando na minha cabeça depois do vídeo da minha amiga querida @helmother sobre tudo isso. Assistam, falem, converse...Se assumir feminista é transformador, para homens e mulheres. <3 #nodramamom