Sinceramente

Outro dia recebi uma newsletter convidando para um evento no qual falaria a @julesdefaria. O tema era incrível mas incrível mesmo era o currículo dessa moça, que não conheço pessoalmente, mas por quem eu nutro uma admiração sem tamanho. Jules é uma das mulheres à frente do @thinkolga e eu acho o trabalho que elas desenvolvem uma das coisas mais relevantes dos últimos anos. O currículo de Jules ficou martelando no meu juízo alguns dias e eu só conseguia pensar: que mulher foda. Seu percurso profissional me fez desejar estar em outro lugar, me fez querer transformar o mundo de forma grandiosa. Sendo muito sincera, eu senti uma invejinha. 

E antes que alguém diga que não é para tanto, que não precisa sentir inveja de ninguém, eu quis dividir esse pensamento aqui, porque acredito que isso é algo que acontece com mais frequência do que a gente imagina. Sentimos inveja. Seja da bunda dura da Pugliese (oi, eu sinto), seja do cv de uma profissional foda. Mas sabe de uma coisa? É preciso sentir mais orgulho de quem a gente é e das nossas escolhas. Continuo achando a Jules uma mulher sensacional, mas pensando sobre minhas escolhas, entendi que eu também sou. E não quero que isso pareça uma comparação. Não é. Nossas escolhas não estão certas ou erradas, não tem pior ou melhor. Tem os caminhos percorridos.

Ser mãe foi uma escolha. Ficar perto das crianças, foi outra escolha. E isso é um privilégio sem tamanho. Minhas conquistas precisam ME satisfazer. Eu preciso olhar para os meus dias e achar que é bacana dialogar com outras mães sobre as angústias da maternidade, mesmo que virtualmente. Eu preciso dar a dimensão certa do que é acompanhar uma mulher na trajetória da sua gestação e ver uma criança nascer. É como nascer junto e isso é lindo e poderoso. Eu preciso me orgulhar de buscar e levar na escola, de ter tempo para falar com professores. De sentar e brincar junto. Eu preciso ficar feliz com os pequenos aprendizados dos meus filhos e ver as transformações gigantes que acontecem todos os dias. Se eu não achar tudo isso massa, ninguém vai achar. E sabe de uma coisa? Eu acho. Acho muito massa. Tudo isso pra dizer que auto amor é o melhor que Rivotril. #nodramom