Tu terceriza, eles tercerizam

Conheço uma mãe que teve um primeiro filho que não dormia. Mesmo. Ela, uma super professora e advogada, contratou uma babá para passar as noites com seu filho insone. Justo, já que não dava para brincar durante a madrugada e ir trabalhar no dia seguinte. A criança agora tem 6 anos e segundo ela, o pior já passou. Hoje ele dorme bem. Conheço uma outra mãe que a filha também não dormia. Ela até fez um blog hilário (que saudade dos seus textos @giulianavaia!) contando sobre as suas noites em claro com a filha. Ela não contratou uma babá e do seu jeito, atravessou essa fase ruim com sua pequena, assim como a primeira mãe. Existe agora uma profissional chamada “consultora do sono” que vem até sua casa para ensinar seu filho a dormir.

A profissional custa caro, obviamente, e promete dentro de uma semana entregar para a mãe um filho que dorme a noite inteira. Teresa tem um ano e três meses e acorda em média 3 vezes por noite. Em média significa que pode ser mais e pode ser menos. Depende de alguma coisa que eu não faço a menor ideia do que seja. Eu não contratei nem babá e nem consultora, mas estou tentando passar essa fase da melhor maneira possível. Eu poderia continuar escrevendo e dizer o que penso sobre entrega, aceitação, paciência ou o tempo de cada criança, mas eu preferi não. O jeito como cada mãe encontra para lidar com as dificuldades que a maternidade impõe deve ser respeitado, por mais diferente que seja a minha opinião da sua. Como mãe, a gente deve partir do princípio que cada uma está fazendo o melhor que pode, com o melhor que tem. E sobre dormir, um dia eu chego lá. Nem que seja daqui há 18 anos, quando todos crescerem. #nodramamom