Sobre não seguir regras

Li recentemente em um blog que adoro, que a autora, uma inglesa mãe de 4 filhos, resolveu deixar de dar banho nas crianças como uma obrigação e que sua vida melhorou consideravelmente depois disso. Ela explicava que a hora do banho era muito estressante e que a medida que os filhos foram nascendo, o banheiro se transformou num campo de guerra. Ela e o marido, decidiram então, que banho só duas vezes na semana, em nome da paz. Ela perguntava no post se as mães achavam aquilo nojento, mas eu nem me apeguei na questão da sujeira. Achei sensacional a maneira prática e racional que ela encontrou para ter uma rotina mais calma com seus filhos. Ela entendeu que dar banho estava deixando de ser algo bom para todos e simplesmente diminuiu o tamanho (em quantidade e em importância) dessa atividade na rotina dela com eles.

Foi libertador.

Nesse dia mesmo, desisti de ficar gritando para Irene vir tomar banho. Ela fica correndo pelada pela casa e quer que eu vá buscá-la. Ela resiste, chora, grita até que entra no banho e adora, claro. Mas nem sempre eu estou no clima. Nessa noite, preferi dar banho em paz em João e Teresa e ela ficou brincando na sala. No fim, ficamos todos felizes.

O x da questão pra mim nessa história toda é aprender a abrir mão de certas coisas que a gente estabeleceu como regra em algum ponto. As crianças vão crescendo e a gente tem que ir se adapatando, em prol da boa convivência. Se rever, renegociar, entender as demandas deles e tentar fazer algo que seja bom para todo mundo. Não podemos ficar reféns da nossa própria rigidez só para não perder a moral. Bom, eu acho. #nodramamom