Não pode

Não pode tomar picolé antes do almoço. Não vai dormir sem banho. Não pode sair sem escovar os dentes. Não dá para não pentear o cabelo e nem pode usar sapatos diferentes. Não pode ficar com vergonha dos amigos da mamãe. Não dá para dançar com música imaginária e nem pintar as paredes.

Porque não.

Não é permitido tomar banho de chuva, querer trocar de roupa na hora em que o elevador chega, usar meias do irmão, fazer careta na janela ou tirar remela.

Porque não.

Sentar cada dia em um lugar da mesa? Os três comerem com a mesma colher? Dormir na cama da mãe? Deixar escapar o xixi? Não querer sair?

Porque não.

Andar descalço: nem pensar. Tirar a roupa pra quê? Pular no sofá? Mais uma história antes de deitar? Ficar de mau humor?

Porque não.

Liberdade tem a ver com sair da linha reta, refazer caminhos. Mas a gente teima em ser rebanho e querer fazer tudo sempre igual. A vida é ligeira e a infância termina num piscar de olhos. Quero tentar trocar o “porque não” pelo “por que não?” e entrar na brincadeira, sempre que possível. #nodramamom