Crise dos 3

É assim: do dia para noite o seu bebê cresce. E dá lugar a uma criatura desconhecida, cheia de vontades, mandona, malcriada e chorona. A criança de 3 anos é tipo um gremlin, fofinho, lindinho mas que rapidamente se transforma num monstro.

Pois é, se você acha que é difícil não dormir, alimentar corretamente, ensinar a se equilibrar e falar, preciso te dizer que esse é só o começo. Passar pelos 3 anos é atravessar o ciclo máximo da paciência. A criança entende sua autonomia como um grito de independência e acredita que pode e deve fazer tudo sozinha. Cria-se na cabeça de uma criança de 3 anos diferenças invisíveis aos olhos dos adultos e quando ela manifesta sua vontade pelo copo verde, não adianta oferecer o laranja, mesmo que seja exatamente igual. Essas escolhas e vontades podem render escândalos dignos de novela mexicana.

E diante do enorme desejo de ignorar tais comportamentos, bater a porta de casa e sair para dar uma voltinha, eu lembro (ou sou lembrada) que ser presente faz toda diferença.

Fazer seu filho entender que ele não é o dono do mundo é frustá-lo. E nessa idade a frustração significa choro alto, gritos e uma esperneada básica. Não dá para ter vergonha desse comportamento. É preciso enfrentar, pegar no colo, segurar a sua onda e a da criança para fazer passar. E passa. Prefiro acreditar que é melhor esgotar essa fase e chegar na próxima com um filho mais bacana do que deixar ele virar um cretino. Alguém me empresta um floral, fazendo favor? #nodramamom