Bagunça interna

É uma mentira afirmar que toda mulher nasce para ser mãe. Não acredito que filhos são a única forma de ser plenamente feliz e que o casamento é a salvação para os solitários. A vida a dois pode ser uma barra pesadíssima, que piora muito mais com a chegada das crianças.

A questão é que ninguém fala sobre como é transformador o nascimento de um bebê, para o bem e para o mal. E só descobrimos quando nos vemos com aquele serzinho em nossos braços. É como se jogar de um abismo, sem paraquedas.

Mesmo depois de dois filhos, não estava preparada para as mudanças que viriam com a chegada de Teresa. O terceiro filho bagunçou minha vida de um jeito muito inesperado. Faltava braço, faltava espaço, faltava ar. Era muito filho para pouca mãe. Ainda é, na verdade. Mas hoje, um ano e um mês depois, começo a ver uma luz no fim do túnel.

Me sinto voltando para quem eu sou, sendo que diferente (será que dá para entender isso?). É como se estivesse voltando para o meu centro, só que esse centro está em um outro lugar, ainda desconhecido, porém agradável, tranquilo. Onde eu me reconheço nessa nova fase da minha vida.

Sinto que não estou só nessas questões, ou seja: está tudo bem. ❤️#nodramamom